Anónimo: olá Gabi, como está?

Tô bem, morrendo de sono desde já. E você?

olá vocês

tudo bem?

A efemeridade das coisas me assusta. Enxergamos o ponto final antes do último parágrafo, quis desejar que fôssemos constantes na inconstância. Tenho devaneios tristes quando sua ausência me tira o fôlego, você sabe, já decorou cada detalhe dos meus temores. Sussurrei desejos tolos e sonhos gentis enquanto dormia. Todas as horas são nossas, ainda que minhas mãos não encontrem as suas e seus lábios se distanciem da minha nuca.
G.